jusbrasil.com.br
17 de Janeiro de 2022

Justiça defere medidas protetivas da Lei Maria da Penha para mulheres vítimas de "cyberstalking".

03 casos concretos, 01 julgado pelo TJ-MG e 02 pelo TJ-SP.

Wander Fernandes, Advogado
Publicado por Wander Fernandes
ano passado

-----> Outros artigos e modelos de petições do mesmo autor (clique aqui).

Editado em 01.4.2021 = A Lei 14.132/2.021, sancionada em 31.3.2021, tipificou o crime de perseguição, prática também conhecida como "stalking". O texto foi aprovado pelo Senado no último dia 9.3 e diz que tentativas persistentes de aproximação física, recolhimento de informação sobre terceiro, envio repetido de mensagens, bilhetes, e-mails e aparições nos locais frequentados pela vítima passam a ser punidos com pena de prisão que vai de seis meses a dois anos, além de multa. Referida Lei insere o artigo 147-A no Código Penal. É crime "perseguir alguém, reiteradamente e por qualquer meio, ameaçando-lhe a integridade física ou psicológica, restringindo-lhe a capacidade de locomoção ou, de qualquer forma, invadindo ou perturbando sua esfera de liberdade ou privacidade", diz o dispositivo. A alteração também prevê que a pena pode ser aumentada se a perseguição for cometida contra criança, adolescente, idoso, mulheres, mediante concurso de duas ou mais pessoas ou com uso de arma de fogo. A versão inicial do PL do Senado previa a pena de seis meses a dois anos, porém na forma de detenção, o que fazia com que ela pudesse ser cumprida em regime aberto ou semiaberto. A Câmara mudou a duração da pena, de um a quatro anos, transformou a modalidade em reclusão e tornou a multa cumulativa à pena. O Plenário do Senado manteve a reclusão e a multa, porém alterou a duração da pena sob a justificativa de "criar uma incongruência, aumentando por demais uma pena que acaba ficando desproporcional com crimes de maior gravidade", conforme afirmou o senador Jean Paul Prates (PT-RN). Além disso, os deputados também alteraram os agravamentos da pena que podem levá-la a ser aumentada em até 50%: se o crime for cometido contra criança, adolescente ou idoso; contra mulher por razões da condição de sexo feminino; mediante concurso de duas ou mais pessoas; ou com o emprego de arma.

-

Jurisprudência anterior a Lei supra:

Caso 01 - TJ-MG - Homem que mandava ameaças para mulher deve cumprir decisão que o impede de aproximar-se dela. (07.9.2020)

Uma desembargadora da 14ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, em decisão monocrática, deferiu a aplicação de medidas protetivas previstas na Lei Maria da Penha em um caso de cyberstalking (uso de ferramentas tecnológicas com o objetivo de perseguir ou assediar uma pessoa).

O perseguidor terá que guardar a distância mínima de 200 metros da vítima e se abster de manter com ela qualquer contato, enquanto tramitar o processo, que corre em segredo de justiça.

A mulher alegou que vem sendo perseguida por meio do aplicativo WhatsApp com mensagens de cunho erótico. Disse que recebia vídeos pornográficos e ligações com ameaças.

Ela informou que identificou o autor das ameaças, uma pessoa de convívio próximo, que já se relacionou com uma amiga e frequentou sua residência. O assediador mora perto da casa dela e sabe de suas atividades rotineiras. Por tudo isso, a vítima disse temer por sua segurança e a de sua família.

A advogada que a representou em Patos de Minas, região do Alto Paranaíba, buscou a aplicação da Lei Maria da Penha por analogia. A prática do stalking pode ser considerada violência psicológica e, portanto, é passível de enquadramento pela lei.

Também ressaltou não ser necessário vínculo sanguíneo ou afetivo para aplicação da Lei Maria da Penha. Basta a demonstração de que a violência contra a mulher tenha se dado em razão do gênero, situação ocorrida no processo em andamento.

A desembargadora deferiu liminarmente o pedido para aplicação das medidas protetivas, pois, segundo ela, foi demonstrado o risco de dano irreparável para a mulher.

-----

Caso 02 - TJ-SP - Juíza concede medidas protetivas a vítima de perseguição por ex-cônjuge em SP ("stalking sintêmico"). 27.4.2020

A juíza Danielle Galhano Pereira da Silva, do Foro da Mulher Brasileira, em São Paulo, decidiu aplicar a Lei Maria da Penha e determinar medidas protetivas em benefício de uma mulher vítima de stalking —expressão que pode ser traduzida como "perseguição persistente".

Esse é o segundo caso de medida protetiva deferida em caso de stalking. O primeiro episódio foi noticiado pela ConJur em março.

"É um precedente muito importante", relata Izabella Borges, advogada da vítima. A patrona criou a tese de "stalking sistêmico" — um conjunto de condutas que resultam em lesão corporal por dano psíquico. (continue lendo aqui).

-----

Caso 03 - TJ-SP - Justiça aplica Lei Maria da Penha em caso de Stalking (02.3.2020)

A mulher conheceu o réu em 2016, com quem trocou mensagens de texto por mais de um ano. Com o passar do tempo, o acusado passou a demonstrar interesse em ter um relacionamento amoroso com a mulher, que recusou as investidas desde o início.

O réu se mostrou tão insistente que a mulher assediada teve que bloquear o número do interlocutor. Com o bloqueio, ele passou a utilizar outros números telefônicos e chegou a comparecer ao local de trabalho da vítima com a intenção de levá-la para almoçar e fazer um pedido de casamento.

O acusado ainda criou uma série de perfis falsos nas redes sociais para (continue lendo aqui).

-----

Observação:

Essa conduta é crime previsto na legislação de Israel, Hungria, Dinamarca e Alemanha. No Brasil, ainda não está tipificada, mas o Senado Federal já aprovou projetos de lei que tipificam o stalking como crime ou contravenção penal (clique aqui para ler).

---

Fontes: TJ-MG (inclusive imagem), TJ-SP, Conjur e Senado Federal.

---

Outros artigos e modelos de petições do mesmo autor (clique aqui).

1 Comentário

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Maria da Penha, nós Mulheres nós unimos para criar lei contra maus tratos, é outros...ja apanhei de paupamatoria na escola,racismo, desigualdade,opressão, é outros que não gostaria de dizer...mais vivo é ajudamos companheiras de luta que também já passou muita coisa nessa vida...vencemos é criamos lei ,contra as mulheres que a lei seja severa...que muitas foram mortas,têm traumas... continuar lendo